11 3107-4505

Área de clientes


Esqueci minha senha

Suporte: quando o coração para, a sua franquia morre!

15/08/2018 Franquias
image

Muitos consultores, palestrantes e profissionais de vendas, costumam qualificar e fazer comparativos entre as “empresas e o corpo humano”. Neste artigo vou pegar uma carona com eles, e não vou fazer diferente. Se você observar, verá que, assim como o corpo humano tem o cérebro que comanda as ações dos nossos membros, no mundo corporativo, as grandes empresas têm o setor estratégico para definir os rumos dos seus negócios. Assim como o ser humano foi devidamente projetado, criado e seus órgãos organizados por funções, com as empresas o organograma também não é diferente.

 Leia também: Por que é importante conversar com franqueados que já atuam na rede que você pretende investir?

 O pacote de benefícios de uma empresa, representa o lado motivacional que alimenta seus colaboradores para um perfeito funcionamento da equipe, por outro lado, nenhum ser humano consegue levar uma vida normal, sem a vitamina “A”, que é responsável na perfeita visão, crescimento, desenvolvimento e manutenção da pele e da imunidade. Assim como os órgãos são fundamentais e necessários para manter o ser humano vivo, os departamentos internos de uma empresa é que irão definir ou não, a sobrevivência dela. Tudo muito parecido. Não é verdade?

 

Este exercício de fazer comparativos entre a máquina humana e as empresas, é algo que me inspira demais. Como instrutor de treinamentos e especialista na criação e organização de Universidades Corporativas com treinamentos a distância, acho fundamental buscar sempre o que existe de melhor por aí e tentar extrair um pouco disto. Então vamos ao tema deste artigo, que é o mercado de “franchising” e os seus órgãos vitais.

 

Uma excelente analogia quando se trata do processo de gestão de uma rede de franquias, é o comprometimento de dois importantes setores:

 

A expansão – como o próprio nome diz, representa a extensão dos negócios através da seleção de candidatos e a comercialização das unidades de franquias. Encontrar os parceiros certos é o passo fundamental para o sucesso de um projeto de expansão de “franchising”. A adoção de novos “bebês” é que irá garantir o crescimento da família.

 

O suporte – se a expansão garante a adoção, o suporte é quem irá nutrir e garantir a manutenção e o crescimento deles. Se a expansão é o “útero” que gera os filhos, o suporte é o coração que irá nutri-los através do bombeamento. Se não forem gerados novos embriões, mesmo assim, a família não deixa de existir, mas se o coração para, a franquia morre. Enquanto que a expansão representa a gestão de um novo filho, o suporte significa a energia vital que irá garantir a sobrevivência dele. Portanto, devemos considerar o suporte como o coração que garante, que toda estrutura da franqueadora, que são suas unidades, movimentem-se em plena atividade funcional, garantindo assim a sobrevivência de toda rede. Uma rede de franchising séria, transparente e segura, é aquele que se movimenta e sobrevive em função dos royalties e não através das taxas de novas franquias.

 

Uma franqueadora pode se dar ao luxo de manter, por um determinado período, a sua expansão em “standby”, mas jamais poderá colocar o seu suporte nesta situação, pois algumas unidades podem ir a óbito. Se faltar sangue na corrente sanguínea, o restante do corpo desfalece e o risco de morte é eminente. O alimento que ingerimos não poderá nos ajudar a crescer se ele apenas passar pelo processo de digestão (treinamento presencial) e ficar parado na região dos intestinos (franqueadora). Todas as partes do nosso corpo necessitam de alimento, ou seja, é preciso levá-los para o cérebro, braços, pernas, dedos e etc. O que carrega esse alimento para cada uma das pequenas partes do nosso corpo é o sangue. O sangue caminha por uma rede de tubos, impulsionado por uma bomba, “O CORAÇÃO”. Esta é a função do suporte de uma franquia de sucesso. Se o conhecimento (know-how) não for bombeado de forma contínua, as unidades irão se desfalecendo aos poucos, até chegar ao óbito.

 Leia também: 7 perguntas que você deve fazer antes de franquear seu negócio

 Muitas franqueadoras acreditam que têm um suporte atuante, quando na verdade, a possibilidade de um “infarto” é muito grande. Eu, por exemplo, prestei serviços para uma empresa de franquias, onde a coordenadora do suporte alegava não suportar assistir uma vídeo-aula com mais de três minutos. A preguiça era tanta, que nem um “marca passo” seria o suficiente para manter o bombeamento da rede. Neste caso, o coração até existe, mas a necessidade de uma angioplastia é a primeira tentativa para desbloquear a artéria e salvar uma vida. Este é o único órgão que não tem o privilégio de entrar em “standby”. Neste caso, podemos comparar o “transplante” como uma substituição do gestor do departamento de suporte, para evitar o pior. Se a sua franqueadora não tem um gestor de suporte que seja: profissional, cortês, educado, qualificado, prestativo, empático e que tenha, acima de tudo, a motivação necessária para aprender junto com a rede, então me desculpe, a sua empresa já está na UTI e o infarto fulminante é uma questão de dias.

 

Finalizando:

A função do coração (suporte), é bombear (distribuir) o nosso sangue (know-how) e, fazer com que ele circule por todo o nosso corpo (rede), de forma contínua e através dos vasos sanguíneos (EAD Corporativo), levando oxigênio (conhecimentos) que é essencial para o funcionamento do metabolismo do corpo humano (infraestrutura corporativa). Quando todo este processo é interrompido, nem o desfibrilador conseguirá salvar a sua empresa.

 

Autor: Carlos Roberto Puia

Veja mais notícias nessa categoria

image

"Franquia é um projeto de vida. É preciso pensar no longo prazo”

Abrir uma franquia, que tem índice de 15% de mortalidade em 10 anos (contra 75% em outros tipos de negócio) e apoio de uma marca consolidada, é uma boa escolha para empreendedores iniciantes, certo?…

image

Entenda como funciona a substituição tributária de ICMS no franchising

Pagamento de impostos é sempre um assunto polêmico no franchising, bem como em qualquer empresa. Nesse processo, vale a pena entender como pagá-los adequadamente, além de fazer bom uso de regimes…