11 3107-4505

Acesse a área restrita a clientes.

São Paulo se mantém com a melhor cidade do Brasil para abrir um negócio

21/11/2016 Empreendedorismo
image
568x904

A Endeavor, maior organização de empreendedorismo do mundo, divulgou nesta quinta-feira (17/11) a terceira edição do Índice Cidades Empreendedoras. O ranking avalia o ecossistema empreendedor nas principais cidades brasileiras e aponta aquelas em que as condições são mais propícias para criar e desenvolver uma empresa. Além disso, analisa quais pontos cada município precisa melhorar para oferecer um bom ambiente de negócios.

Pelo segundo ano consecutivo, São Paulo ficou com o primeiro lugar. Entre os fatores que justificam a colocação da capital paulista estão, principalmente, o acesso ao capital e a conexões relevantes e as condições de mercado. "São Paulo, apesar de ser a primeira colocada no índice, não está tão bem colocada em todos os pilares. A cidade ainda tem potencial para melhorar muito e desenvolver outras áreas que cidades menores já conseguiram desenvolver", diz Juliano Seabra, diretor-geral da Endeavor. 

Como em 2015, Florianópolis ficou com o segundo lugar, mas, desta vez, mais distante da primeira colocada. De acordo com o índice, a ilha apresentou uma queda no desenvolvimento de inovações do último ano para cá. A paulista Campinas ocupa o terceiro lugar na lista, seguida por Joinville (4º), Vitória (5º), São José dos Campos (6º), Porto Alegre (7º), Sorocaba (8º), Maringá (9º) e Ribeirão Preto (10º).

O estudo analisou 32 cidades que, no total, representam 40% do PIB (Produto Interno Bruno) nacional. Todos os estados brasileiros foram representados ao menos por suas capitais, com exceção da região norte, onde apenas Belém e Manaus entraram no índice. Para conseguir medir os ecossistemas de negócios, a Endeavor avaliou sete pilares que mais afetam a vida do empreendedor em cada município: ambiente regulatório, infraestrutura, desenvolvimento econômico, inovação, capital humano e cultura empreendedora

- a capital paulista também ganhou a primeira colocação no pilar Infraestrutura

O impacto da crise 
O impacto da recessão econômica afetou os indicadores analisados pela Endeavor. O crescimento médio do Produto Interno Bruno (PIB) das cidades caiu de 3,9% entre 2010 e 2012 para 2,4% entre 2011 e 2013.

Os recursos financeiros disponíveis para empresas também sofreram com a crise: os investimentos em private equity, por exemplo, foram reduzidos em 23%. O número total de empresas também diminuiu desde o último estudo, mas as áreas de TICs (tecnologia da informação e comunicação) e de economia criativa aumentaram em 14%. Além disso, o número de negócios apostando no mercado externo cresceu 7%.

 

Veja abaixo o ranking produzido pela Endeavor, com as cidades e suas respectivas pontuações. 

 


Fonte: Pequenas Empresas, Grandes Negócios

Veja mais notícias nessa categoria

image

Empreendedorismo avança na força de trabalho por falta de alternativas

Mais de 26 milhões de pessoas possuíam seu próprio negócio entre fevereiro e abril deste ano. Esse número representa mais de um quarto da força de trabalho brasileira, que chegou a 103,286 milhões…

image

Cresce número de mulheres que têm o próprio negócio

As mulheres estão cada vez mais competitivas no mercado de trabalho. A busca pelo sonho de ter o próprio negócio está presente na vida de muitas brasileiras.Em todo o país o número de empreendedoras…